Ataque a tiros em igreja católica deixa seis feridos em Londres

Mensagens


Igreja St Aloysius em Londres (Foto: Reprodução/Twitter)
Igreja St Aloysius em Londres (Foto: Reprodução/Twitter)

Um ataque a tiros, neste sábado (14), contra uma igreja católica em Londres, deixou seis feridos, incluindo uma menina de sete anos que foi hospitalizada em estado crítico, informou a polícia.

Os fiéis, que participavam de uma missa em homenagem a uma mulher e sua filha, mortas no ano passado, fugiram do templo em meio aos gritos quando começaram os disparos.

As investigações iniciais indicam que os tiros foram “disparados de um veículo em movimento que posteriormente se afastou do local”, disse a polícia de Londres em um comunicado.

O padre que conduzia o serviço, Jeremy Trood, afirmou à agência de notícias PA que se tratava de uma missa para Sara Sanchez, de 20 anos, e sua mãe, que morreram em novembro.

A jovem faleceu por leucemia e sua mãe, pouco depois, por um coágulo de sangue ao chegar ao aeroporto de Heathrow, em Londres, vindo da Colômbia, segundo o site MyLondon. No momento, a nacionalidade das duas não foi informada.

A polícia metropolitana disse que uma menina de 12 anos e quatro mulheres – de 21, 41, 48 e 54 anos – também ficaram feridas.

O superintendente da polícia, Ed Wells, disse que qualquer tiroteio era “inaceitável, mas para várias pessoas, incluindo duas crianças, serem feridas em um tiroteio no meio de uma tarde de sábado é chocante”.

“Nossos pensamentos estão com todas as vítimas, mas em particular com a menina de sete anos. Uma investigação sobre este terrível ataque já está em andamento”, disse ele.

“Posso garantir às comunidades de Camden e além que faremos tudo o que pudermos para identificar e levar à justiça os responsáveis.”

Ele acrescentou que haveria “um aumento da presença visível da polícia na área durante o fim de semana e nos próximos dias”.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, descreveu o tiroteio como “profundamente angustiante” e disse que estava em contato próximo com a polícia metropolitana.

Fonte: BBC de Londres e UOL





Source link

Comentários