Conflito mata três mil pessoas no Sudão, entre elas muitos cristãos

Mensagens


Mais de 3 milhões de pessoas no Sudão estão deslocados e vivem em acampamentos. (Foto: Portas Abertas)
Mais de 3 milhões de pessoas no Sudão estão deslocados e vivem em acampamentos. (Foto: Portas Abertas)

A guerra sangrenta no Sudão, que teve início em 15 de abril deste ano, já deixou cerca de 3.000 mortos, entre eles muitos cristãos.

Em apenas 3 meses, mais de 3 milhões de sudaneses se encontram deslocados, conforme a Organização Internacional de Migração (IOM, da sigla em inglês).

O ministro da saúde, Haitham Mohamed Ibrahim confirmou os números e disse que a situação continua se deteriorando: “Isso tem causado grande sofrimento à população no Sudão. A guerra parece não ter fim”.

Como a Igreja no país é afetada

A crise violenta que estourou na capital do Sudão, Cartum, se espalhou por todo o país. Segundo um portal de notícias britânico, a violência impactou principalmente os cristãos nos estados de Cordofão do Sul e no Nilo Azul, onde a comunidade cristã já era vulnerável e perseguida.

Líderes cristãos dessa região pediram uma intervenção urgente por causa do conflito em andamento: “Estamos profundamente preocupados com os efeitos regionais e internacionais do conflito. Estamos em uma área que já estava desestabilizada, frágil e enfraquecida por conflitos internos anteriores”.

O país ocupa o 10º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2023, se mantendo no topo da classificação entre as nações que mais matam cristãos.

“Os cristãos são particularmente vulneráveis no Sudão, ainda mais no período de guerras. Precisamos que as igrejas do mundo orem pela situação. Sabemos que muitas coisas terríveis estão acontecendo no mundo todo, mas, por favor, não se esqueçam dos seus irmãos e irmãs em Cristo no Sudão”, pediu um representante local da Portas Abertas, Fikiru (nome fictício por motivos de segurança).

Outro parceiro local disse que, segundo os últimos relatórios, mais de 165 igrejas foram fechadas e ao menos 15 foram destruídas. Igrejas também relataram violações diárias dos direitos humanos, como estupros, sequestros de meninas e saques de propriedades.

“Muitos cristãos vivem nas zonas de guerra e não têm como fugir de lá. Eles estão sofrendo e não podemos nos aproximar da região para ajudá-los. É muito difícil para nós vermos o sofrimento dessa parte do corpo de Cristo”, ele lamentou.

‘Graves violações dos direitos humanos’

“O cessar-fogo acordado entre os dois lados da disputa não durou muito tempo. O que mais nos preocupa são as graves violações dos direitos humanos e a indisposição das duas partes em acabar com as hostilidades”, disse Fikiru.

A disputa envolve dois grupos: as Forças Armadas Sudanesas (SAF, da sigla em inglês), lideradas pelo militar Abdel Fattah al-Burhan e o grupo paramilitar Rapid Support Forces (RSF, da sigla em inglês), comandado por Mohammed Hamdan Dagalo, conhecido como Hemedti.

Há pouco tempo, eles eram aliados, unidos para derrubar o ex-presidente, Omar Al-Bashir. Mas, depois do sucesso da operação em 2019, os grupos passaram a lutar um contra o outro pelo poder do país, especialmente porque o novo governo pretendia submeter o RSF ao comando militar.

Fonte: Guia-me com informações de Portas Abertas





Source link

Comentários