Cristãos paquistaneses participam de cultos dias após terem igrejas queimadas

Destaques


Cristãos no leste do Paquistão se reuniram para cultos entre os destroços de suas igrejas vandalizadas no domingo, dias após uma multidão muçulmana ter invadido seu bairro, destruindo mais de 80 casas e 21 igrejas na província de Punjab. A violência eclodiu após a disseminação de alegações de que o Alcorão havia sido profanado.

De acordo com The Christian Post, na cidade de Jaranwala, que foi palco da violência em 16 de agosto, cerca de 200 cristãos se reuniram em uma rua estreita ao lado da principal Igreja do Exército da Salvação, cuja cruz estava ausente após ser derrubada pela multidão.

Nesse sentido, muitos dos presentes vieram de cidades vizinhas para mostrar apoio, enquanto outros expressaram medo e incerteza quanto à segurança.

“Costumávamos vir aqui sem medo, mas hoje precisamos da polícia”, disse Nosheen Farman, uma dona de casa de 29 anos.

Dessa forma, os tumultos em 16 de agosto duraram horas, deixando casas destruídas e pertences espalhados pelas ruas. A maioria das vítimas são trabalhadores sanitários que vivem em casas apertadas, alguns agora abrigados em uma escola pública ou com parentesç. O governo local prometeu reconstruir, mas o trauma permanece.

“Esses prédios e casas serão restaurados, mas será difícil para as meninas e crianças superarem esse trauma”, disse Samson Salamat, de 44 anos.

Sendo assim, o bispo da diocese liderou os serviços, e rações de comida foram distribuídas aos afetados. Tropas paramilitares estão protegendo os locais, incluindo a Igreja do Exército da Salvação e a Igreja Católica de São Paulo. O governo provincial anunciou uma compensação de 2 milhões de rúpias para cada família afetada.

Além disso, residentes e líderes comunitários disseram que a multidão, armada com várias armas, promoveu os tumultos sem intervenção da polícia e das autoridades administrativas presentes por mais de 10 horas. A polícia negou isso, afirmando que evitou uma situação pior.

Por fim, grupos de direitos humanos há muito criticam as leis de blasfêmia do Paquistão, citando seu uso indevido para ganhos pessoais. Mais de 2.000 pessoas foram acusadas desde 1987, com pelo menos 88 mortes por tais alegações, de acordo com o Centro de Justiça Social.



Source link

Comentários