Estilo de vida e diagnóstico precoce estão entre fatores chave para enfrentamento da doença de Parkinson

Mensagens


Conhecida por causar tremores involuntários, a doença tem crescido em número de mortes e requer conscientização para melhorar a qualidade de vida dos pacientes

A Organização Mundial de Saúde (OMS) tem alertado que a doença de Parkinson se tornou um desafio de saúde pública por ser a desordem neurológica que mais causa incapacitação e mortes no mundo todo, nos últimos anos, e a segunda doença neurodegenerativa mais comum no mundo, atrás do Alzheimer. No dia 11 de abril, data estabelecida pela OMS em 1998, entidades se mobilizam para promover a conscientização sobre o Parkinson, a importância da pesquisa, o planejamento para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e a prevenção da incapacitação da população na medida em que cresce a longevidade.

A prevalência do Parkinson dobrou nos últimos 25 anos e a OMS estima que mais de 8,5 milhões de pessoas vivem com a doença, mas que este número pode ser maior se as pessoas com várias formas de Parkinson forem incluídas na conta, como as ocorrências causadas por condições degenerativas (Parkinson atípico), lesão vascular no cérebro ou efeitos adversos de medicações como neurolépticos, utilizados no tratamento de sintomas de psicose.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2019, a doença de Parkinson resultou na perda por incapacidade de 5,8 milhões de anos de vida, um aumento de 81% na comparação com o ano 2000, e causou 329 mortes mil em todo o mundo, com aumento de 100%, desde o ano 2000. No Brasil, estima-se que mais de 200 mil pessoas sejam acometidas pela doença.

O neurologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, Edson Issamu, explica que o diagnóstico precoce é fundamental e que os sintomas podem ser controlados nos primeiros anos da doença com medicação específica. “Infelizmente, a progressão da doença intensifica alguns sintomas como o tremor e a lentidão, podendo se tornar debilitante. Ao manifestar qualquer característica do Parkinson, procure um médico e investigue a condição. Com planejamento e cuidados, é possível viver com a doença e ter qualidade de vida”, explica o Dr. Issamu.

O primeiro artigo que caracterizou a doença de Parkinson foi publicado em 11 de abril de 1817, por James Parkinson, que descreveu os principais sintomas da doença publicados no Ensaio sobre a Paralisia Agitante. Em 1998, a OMS oficializou a data como o Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença de Parkinson.

O que é?

O Parkinson é uma condição degenerativa do cérebro, progressiva e sem cura, associada com sintomas motores (tremor, movimento lento, rigidez dos membros e desequilíbrio no andar) e uma variedade de complicações não motoras (sintomas neuropsiquiátricos e autonômicos, distúrbios de sono e vigília, dor e outros distúrbios sensoriais).

A progressão desses sintomas e complicações reduzem as funções e a qualidade de vida do paciente, o que resulta em altas taxas de incapacitação e necessidade de cuidados por outras pessoas. O principal fator de risco é o envelhecimento, embora jovens também possam ser afetados.

Prevenção

Segundo relatório da OMS, a predisposição genética é a principal causa de apenas um pequeno grupo de casos, com outros estudos apontando para fatores ambientais como poluição do ar, uso de pesticidas e solventes industriais. 

As pesquisas indicam ainda que atividades físicas regulares, alimentação saudável e o consumo de cafeína contribuem para prevenir o surgimento do Parkinson.

Sintomas

A doença de Parkinson afeta o sistema nervoso central de forma crônica e progressiva – e atinge predominantemente os neurônios produtores de dopamina, substância que auxilia na realização dos movimentos voluntários do corpo de forma automática. Os principais sintomas envolvem desde o mais conhecido tremor até a lentidão motora, rigidez entre as articulações e desequilíbrio, entre outras consequências mais graves.

Diagnóstico

A detecção precoce é essencial para o tratamento. Os pacientes requerem cuidados prolongados, ou seja, quanto antes a detecção for realizada, maior a qualidade de vida do paciente. O diagnóstico clínico é realizado por neurologistas e profissionais de saúde especializados e qualquer sinal deve ser submetido a um especialista para avaliação. Exames neurológicos, compostos por testes físicos e ressonância magnética do cérebro, são aplicados. 

Tratamento

Além dos medicamentos específicos, uma abordagem interdisciplinar irá ampliar os resultados com o avanço da doença, que incluirá atividades de fisioterapia, reabilitação e até cuidados paliativos. De acordo com o caso, fonoaudiólogos, psicólogos, fisioterapeutas e outros profissionais farão parte do time de acompanhamento e atendimento do paciente. Em situações avançadas, o tratamento poderá indicar estimulação cerebral profunda.

Apesar dos avanços no desenvolvimento de remédios, nenhum se provou efetivo em desacelerar a progressão da doença. A Levodopa se mantém como uma das drogas com melhores resultados para os sintomas motores e não motores, com impacto na qualidade de vida do paciente de Parkinson, mas sem paralisar o processo neurodegenerativo. 

Sobre a Rede de Hospitais São Camilo

Especializada na assistência em saúde baseada em valor, a Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo conta com 5 unidades, que prestam atendimentos em mais de 60 especialidades, cirurgias de alta complexidade e transplantes de medula óssea. São 3 unidades de hospital geral, 1 especializada em oncologia e 1 em reabilitação e cuidados paliativos. A Rede conta também com um Núcleo de Pesquisa Clínica que é referência no país, sendo considerado Top Recruitment – o maior recrutador de pacientes com mais de 40 estudos patrocinados na área de Oncologia.

Os hospitais privados da Rede subsidiam as atividades de cerca de 40 unidades administradas pela São Camilo e que atendem pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) em 15 Estados brasileiros. No Brasil desde 1922, a Sociedade Beneficente São Camilo, que pertence à Ordem dos Ministros dos Enfermos, foi fundada por Camilo de Lellis e conta, ainda, com 25 centros de educação, dois colégios e dois centros universitários. O São Camilo é detentor da Campanha “O Câncer de Mama no Alvo da Moda” que simboliza a conscientização a respeito do câncer de mama. Siga o Hospital São Camilo nas redes sociais: @hospitalsaocamilosp

Comentários