Leonardo Gonçalves critica mídia gospel e diz que está tentando construir outras maneiras de ser cristão

Mensagens


Ao tentar defender o cantor Kleber Lucas por sua fala sobre a canção “Alvo mais que a neve” ser racista, Leonardo Gonçalves disse que uma pessoa que foi torturada na ditadura militar por se sentir mal ao cantar “O nosso general é Cristo” e o assunto viralizou.

O cantor não gostou da repercussão e resolveu atacar a mídia gospel dizendo que os sites fazem “clickbait” [caçar cliques com títulos chamativos] e que estão rancorosos com a derrota do presidente Jair Bolsonaro.

“A todos os portais gospel que tiram tudo de contexto, distorcem qualquer coisa para fazer clickbait e a todos vocês que se deleitam em crer e espalhar suas mentiras: sei que isso vem de um lugar de dor. Bolsonaro perdeu. Os militares não interviram e vocês investiram muita energia nesse projeto de poder”, escreveu.

E não parou por isso. “Se faz vocês se sentirem melhores, podem bater à vontade. Podem destilar todo o veneno e crueldade de vocês em cima de mim ou de qualquer outro inimigo que vocês (falsamente) elegerem. Tá tudo certo.  A gente vai continuar tentando construir outras maneiras de se ser evangélico/cristão”, disse.

Leonardo recebeu muitas mensagens, algumas de apoio e outras de críticas, principalmente pela parte que ele fala em “construir outras maneiras de ser cristão”.

Mas a mensagem do cantor adventista não para por aí: “Se for de Deus o que estamos fazendo, não há nada que vocês possam fazer pra impedir. E se não for de Deus, não precisam se esforçar pra destruir esses esforços, porque eles não vão frutificar, mesmo… Então, tentem encontrar um pouco de paz, ok?”.

Redação Exibir Gospel

Comentários