Pastor da Batista da Lagoinha é preso suspeito de abuso sexual contra adolescentes

Mensagens


Pastor Joilson Freitas, preso acusado de abuso sexual. (Foto: Reprodução)
Pastor Joilson Freitas, preso acusado de abuso sexual. (Foto: Reprodução)

O pastor evangélico Joilson da Silva de Freitas Santos, de 39 anos, foi preso pela Polícia Civil de Guarulhos, na Grande São Paulo, como suspeito de abusar sexualmente de crianças e adolescentes da Igreja Batista da Lagoinha. A prisão ocorreu na noite desta quarta-feira, 7.

De acordo com as investigações do 5º DP de Guarulhos, o pastor possuía uma célula (espécie de grupo de estudos), formada por crianças e adolescentes para discutir questões relacionadas à sexualidade. Com essa justificativa, o líder religioso obrigava as vítimas a pesquisarem vídeos e fotos pornográficos na internet, de acordo com os policiais. Em seguida, ainda segundo a polícia, ele fazia chantagem com as vítimas e mantinha relações sexuais com elas em seu apartamento.

No dia 1º de junho, um adolescente de 16 anos denunciou a violência na portaria do prédio do pastor, o que levou ao registro de um boletim de ocorrência. Os policiais ainda não caracterizaram a situação como tentativa de estupro ou estupro de fato.

Durante as investigações, os policiais descobriram outras duas vítimas, de 17 anos e 13 anos. Diante dessas informações, Fulvio Mecca, delegado responsável pelo 5º DP de Guarulhos, cumpriu um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça a pedido da polícia. “A prisão temporária é de 30 dias, mas, como se trata de crime hediondo, ela pode ser ampliada para 60 dias”, explica o delegado.

Os policiais também apreenderam memórias de computador, celulares, um tablet, um notebook e até um colchão, onde os estupros teriam sido praticados, no apartamento de Santos. O pastor é casado e não tem passagens pela polícia. Como os atos de violência teriam acontecido no apartamento da família, a polícia também investiga a eventual conivência da mulher.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, “o inquérito policial segue em andamento pela unidade para esclarecer os crimes. Outros detalhes serão preservados em razão da natureza da ocorrência e para preservação das vítimas”.

O Estadão tentou contato com os advogados de Santos, mas os policiais informaram que eles ainda não se apresentaram formalmente.

A Igreja Lagoinha Guarulhos informou, por meio de nota, que Santos não era pastor da igreja e “nunca foi ordenado ou consagrado ao ministério pastoral”. Ainda de acordo com a instituição, ele “não exercia função oficial, não era líder responsável pelas crianças e/ou adolescentes e não detinha autorização para ‘discipular’ ou atender pessoas em sua residência”.

Fonte: Terra





Source link

Comentários