Professora critica incentivo à ‘mudança de sexo’ de aluno de 8 anos e acaba demitida

Destaque


Se posicionar em favor do mundo real, atualmente, onde a proteção da infância precisa ser defendida de forma contundente, pode ser motivo de demissão para quem é crítico da “mudança de sexo” em menores, inclusive crianças de apenas 8 anos.

Foi isso o que aconteceu com uma professora do Reino Unido, segundo informações da organização International Christian Concern (ICC). Quando tomou conhecimento de que uma aluna de 8 anos não estaria se identificando psicologicamente com o próprio sexo, ela resolveu externar sua opinião.

Isso, porque, a professora que não teve o nome revelado por razões de privacidade não concordou com a postura da escola, que foi de seguir uma orientação para passar a tratar a aluna com pronomes masculinos, endossando a sua disforia de gênero.

Assim, a docente fez uma queixa ao conselho de Stonewall e Mermaids, dizendo estar preocupada com a indução de uma narrativa sem amparo científico, já que a popularmente chamada “mudança de sexo”, ou “redesignação sexual”, na realidade são intervenções estéticas e hormonais.

Ou seja, em nível biológico, machos continuarão sempre machos, assim como fêmeas continuarão sempre fêmeas, independentemente da forma como determinada pessoa se veja e se sinta.

Com base nisso, a docente manifestou a preocupação pelo fato de uma criança, ainda mais tão nova, receber um tratamento, mesmo que inicialmente apenas social, cuja complexidade das informações ela mesma ainda não é capaz de compreender.

Repercussão

A manifestação da professora acabou resultando em retaliação, começando por sua demissão. Além disso, ela passou a ser investigada por órgãos reguladores, enquanto está sendo defendida pelo grupo jurídico cristão Christian Legal Centre.

Este é só mais um dos vários casos semelhantes que se acumulam dentro e fora do Brasil. Para e professora cristã e influenciadora Verônica Rodrigues, esses acontecimentos podem ser frutos da doutrinação ideológica nas escolas.

“A escola está sujeita à cosmovisão do Estado, que nem de longe é a cristã. A escola é usada, de forma inescrupulosa, por doutrinadores que ocupam o lugar de professores com o intuito de tornar as salas de aula ambientes de manipulação ideológica e propagação de narrativas às custas de deturpação de conceitos, distorção de fatos, relativismo e revisionismo de toda ordem”. explica Rodrigues. Veja:

Professora cristã denuncia doutrinação nas escolas: ‘Impõem ideais revolucionários’

Assine o Canal

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id; js.async = true;
js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.8&appId=297019197061979”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));



Source link

Comentários