Queda populacional está relacionada ao esfriamento da religiosidade, diz pesquisador

Destaque Sociedade


De acordo com o último censo realizado no Brasil, o país possui 203.062.512 milhões de brasileiros, um crescimento de apenas 6,45% nos últimos 10 anos, desde o último levantamento, realizado em 2010. Os dados refletem um cenário populacional preocupante que, segundo o pesquisador Guillaume Blanc, pode estar relacionado à religiosidade.

No caso brasileiro, o crescimento de 6,45% da população não era o esperado, sendo considerado um número baixo. Isso, contudo, reflete uma tendência de baixa fertilidade que a Europa já vem enfrentando há décadas.

Professor assistente de economia na Universidade de Manchester e vice-diretor do Arthur Lewis Lab for Comparative Development, Blanc fez uma pesquisa para analisar o motivo da queda populacional em seu país, na França, e sua análise conclui que existe uma espécie de padrão generalizado entre baixa fertilidade e esfriamento religioso.

“Eles são bem generalizáveis”, diz ele sobre os dados coletados. “Através do tempo e do espaço, mostrou-se que a religiosidade se correlaciona de forma positiva com a fertilidade”, explicou o autor, segundo informações da Gazeta do Povo.

Cenário preocupante

Blanc apontou uma série de questões possíveis de explicar o esfriamento religioso, como o culto à “razão” e às revoluções industriais, elementos que impactaram a formação cultural da sociedade moderna e pós-moderna.

O autor, no entanto, evitou tratar a queda populacional como prenúncio de uma catástrofe futura. Blanc acredita que a baixa fertilidade, atualmente, também está relacionada à preocupação dos casais com os condições da vida atual.

“Creio que a conclusão mais importante da minha pesquisa, se a aplicarmos ao mundo de hoje”, diz ele, “é que a fertilidade baixa, que é uma questão restritiva, não é o fim do mundo”.

Quanto ao papel da igreja nesse quesito, ele também não tem dúvida, pois entende que muitos deixaram de encarar a ordenança bíblica de crescer e se multiplicar como uma função, também, da família.

“Os franceses não apenas rejeitaram os ensinamentos da Igreja, mas também a monarquia (e as elites), que tinham fortes laços com a Igreja”, conclui o autor. Para ler a íntegra original da sua publicação, clique aqui.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id; js.async = true;
js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.8&appId=297019197061979”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));



Source link

Comentários